Sarampo é tão contagioso quanto gripe. Veja sintomas

Imagem Sarampo é tão contagioso quanto gripe. Veja sintomas

Com o surto de sarampo em Roraima e no Amazonas, a preocupação com a doença no Brasil aumentou. E com razão.De acordo com a OrganizaçãoMundial da Saúde (OMS), esse vírus provocou a morte de mais de 89 mil crianças em todo o mundo em 2016.

O sarampo é umproblema grave, altamente contagioso e que não pode ser negligenciado. A melhor forma de se proteger da doença é tomando a vacina, que é gratuita e tem eficácia de 97%.A seguir, mostramos alguns fatos sobre o sarampo e quais as consequências trazidas pelo vírus.

1. Sarampo é altamente contagioso

De acordo com Renato Kfouri, infectologista e presidente do Departamento Científico de Imunizações da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), o sarampo é contagioso como a gripe. “A transmissão é por via respiratória, portanto tosse, espirros e secreções podem transmitir o vírus”, alerta.

2. Febre é o primeiro sinal

Assim como a gripe, o primeiro sintoma do sarampo é a febre alta. Depois de dois ou três dias, manchas vermelhas começam a despontar pelo corpo. “A criança fica mais irritada, prostrada, com mal-estar e dor no corpo. Pode também acontecer conjuntivite, mas geralmente o que caracteriza a doença é a vermelhidão na pele”, explica o infectologista.

Não é só criança quetem sarampo. A doença pode atingir pessoas de todas as idades

3. Não há tratamento específico

A vacina é a melhor forma de evitar o contágio da doença e tem eficácia em 97% dos casos. Receber a imunização é importante pois não existeremédio que cure o sarampo. Quando alguém é infectado, o que se pode fazer é aliviar os sintomas. “São usados analgésicos e antitérmicos para diminuir a febre, além de garantir a boa hidratação do paciente”, relata Kfouri, orientando que o doente busque um médico ao apresentar os sintomas.

4. É preciso se manter isolado

Como a doença é altamente transmissível,o ideal é que o pacientecom sarampo fique afastadoda escola ou do trabalho, para evitar o risco de propagação do vírus. “É preciso evitar o contato com outras pessoas até o final dos sintomas”, explica o pediatra e membro da Sociedade Americana de Pediatria, Nelson Douglas Ejzenbaum.

5. Doença pode evoluir para pneumonia e até meningite

Ejzenbaumexplica que em uma parte dos casos o sarampo pode provocar pneumonia e meningite viral, condições sérias que colocam a vida em risco. “O vírus causa uma inflamação nos vasos sanguíneos, então a doença pode vir a ser severa”, alerta.

6. Vacina protege contra três vírus

Chamada de tríplice viral, a vacina contra o sarampo também fornece proteção contra caxumba e rubéola, duas outras doenças que podem ser graves. Mesmo crianças com alergia à proteína do leite de vaca (APLV) podem receber a imunização, pois há gratuitamente um tipo de vacina que não contém essa proteína.

7. Imunização vale para o resto da vida

Bastam as duas doses no primeiro ano de vida para que a pessoa esteja protegida para sempre. Não há necessidade de reforços periódicos, como acontece com a vacina contra o tétano, por exemplo.

8. Grávidas não podem tomar a vacina

Como a vacina é feita com vírus vivos atenuados, ela é contraindicada para gestantes e pessoas que estão com o sistemaimune comprometido. Fora isso, todos podem receber a imunização. “No Brasil, a vacinação começa com um ano de idade [ou a partir dos 6 meses em caso de surto], e é feita em duas doses”, afirmaEjzenbaum. Adultos que não tomaram a vacina quando pequenos podem --e devem -- receber a imunização.

9. Doença aumenta risco de aborto

Grávidas que contraem sarampo durante a gestação apresentam maior risco de o bebê nascer antes do tempo esperado, ou de sofrer um aborto, explica Carolina Toniolo Zenatti, infectologista do Hospital Leforte. Certificar-se de que está imunizada antes de engravidar é importante para evitar o problema.

10. Não tomar a vacina prejudica quem não pode se imunizar

Quando a população que poderia estar vacinada ignora essa recomendação, o vírus volta a circular e atinge as pessoas que não podem receber a imunização por questões de saúde.“Crianças imunocomprometidas, abaixo de um ano e os 3% de pessoas que são vacinadas mas não desenvolvem imunidade se beneficiam de um ambiente em que quase todos estão protegidos, pois não há quem transmita a doença”, explica Kfouri.

Fonte: Uol - Viva Bem